Wednesday, May 31, 2017

Poem 16 - Abid ibn al-Abras

       


Poem 16 - Abid ibn al-Abras


(1) Whose are the abodes in the gravelly plain of Bauhan? worn are they - the destroying hand of time has changed them.
(2) I stayed therein my camel that I might ask of the traces, and as I turned away, mine eyes gushed forth with tears -
(3) A copious stream, as though on a sudden burst from my lids a shower of rain, such as falls unawares from a winter cloud.
(4) I thought how had dwelt there my kin, the best of all men not kingly to the famine-stricken, the wretched, and the captive in sorest need,
(5) And goodly gamers over the slaughtered camel, what time the wintry wind was blowing, and the strangers were gathered in.
(6) But when spear-play was the business that they had in hand, then dyed they deep in blood the upper third of their shafts;
(7) And when it was time for the smiting of swords, behold them then like lions that bend above their whelps and repel the foe;
(8) And when men shouted - - "Down to the foot-fight!" then did they do on the mail-coats ample, that fall in folds as far as the knees.
(9) Now I remain - - they are gone: and I too must pass away: change upon change - - that is life, and colour to colour succeeds!
(10) God knows how they came to their end - - I know not: all that is left for me is remembrance of things lost when and where, He knows!



Poem 16 - Abid ibn al-Abras - Tradução em Português


(1) De quem são as moradas na planície de Gravelly de Bauhan? Desgastados são eles - a mão destrutiva do tempo os mudou.
(2) Fiquei ali no meu camelo para pedir os traços e, enquanto eu me afastava, meus olhos brotaram com lágrimas -
(3) Um córrego abundante, como se em uma explosão repentina das minhas pálpebras um banho de chuva, como cai desprevenido de uma nuvem de inverno.
(4) Eu pensei que como haviam morado os meus parentes, o melhor de todos os homens não realistas para os famintos, os miseráveis ​​e os mais cativos,
(5) E bem gamers sobre o camelo abatido, a que horas o vento do inverno estava soprando, e os estranhos estavam reunidos.
(6) Mas quando a lança era o negócio que eles tinham na mão, então tingiu eles no fundo do sangue o terço superior de seus eixos;
(7) E quando chegou a hora do golpe de espadas, veja-os, então, como leões que se dobram acima de seus filhotes e repelir o inimigo;
(8) E quando os homens gritaram - - "Para baixo para a luta nos pés!" Então, eles fizeram no casaco de correio, que caem em dobras até os joelhos.
(9) Agora eu permaneço - - eles se foram: e eu também devo passar: mudar sobre a mudança - - é a vida e a cor para a cor é bem-sucedida!
(10) Deus sabe como eles chegaram ao fim - Eu não sei: tudo o que resta para mim é lembrança das coisas perdidas quando e onde, Ele sabe!



Poem 16 - Abid ibn al-Abras - La traducción en español


(1) ¿Cuáles son las moradas en la llanura grava de Bauhan? Desgastados son ellos - la mano destruidora del tiempo los ha cambiado.
(2) Yo permanecí en él mi camello que podría pedir de las huellas, y como me di vuelta, mis ojos chorros con lágrimas -
(3) Una corriente copiosa, como si repentinamente estallara de mis párpados una lluvia de lluvia, tal como cae desprevenido de una nube de invierno.
(4) Pensé que había vivido allí mis parientes, el mejor de todos los hombres, no de los reyes, para los hambrientos, los desgraciados, y los cautivos más necesitados,
(5) Y buenos jugadores sobre el camello degollado, a qué hora el viento invernal soplaba, y los extraños estaban reunidos.
(6) Pero cuando el juego de la lanza era el negocio que tenían en la mano, entonces teñido ellos profundamente en sangre el tercio superior de sus flechas;
(7) Y cuando había llegado el momento de golpear espadas, los veían como leones que se inclinaban sobre sus cachorros y repelían al enemigo;
(8) Y cuando los hombres gritaron - "Abajo a la pelea de pie!" Luego lo hicieron en los abrigos de correo, que caen en pliegues hasta las rodillas.
(9) Ahora me quedo - - se han ido: y yo también debe pasar: cambio en el cambio - - que es la vida, y el color al color tiene éxito!
(10) Dios sabe cómo llegaron a su fin - No lo sé: todo lo que queda para mí es el recuerdo de las cosas perdidas cuando y dónde, Él sabe! 


Conteúdo completo disponível em:






Links:


Slippery Letra

Mask Off Letra

Slippery Letra

Bacias hidrográficas do estado de São Paulo

Prédios mais altos do mundo

O Alienista PDF

Just Go #JustGo - Viagem Volta ao Mundo

Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul

Idade das Religões - Religião História

Bíblia Online

Top 10 BLOGs by Sanderlei Silveira



The Dark - Ellen M.H. Gates - Poetry, Poem

Thou Art Not Lovelier Than Lilacs, - No - Edna St. Vincent Millay - Sonnet 18 - Poetry, Poem

Slippery - Migos - Letra Musica - Tradução em Português

Economia em 1 Minuto - Sanderlei

As festas populares em Santa Catarina SC

Áreas de preservação no estado de São Paulo SP

A Guerra do Contestado PR

Pantanal – Patrimônio Natural da Humanidade MS

Mein Kampf PDF

Palácio da Justiça do Amazonas - Centro Cultural, Museu - Manaus - Amazonas AM - Brasil


No comments:

Post a Comment